Filme: O Som do Trovão

10 novembro 2010 |

Em 2055 um novo esporte é uma febre entre ricos executivos: viajar no tempo para caçar dinossauros. Trata-se de um esporte caro, que envolve milhões e que possui uma regra básica: o passado jamais deve ser violado. Desta forma é proibido trazer do passado qualquer objeto ou animal, esteja ele vivo ou morto, já que isto pode gerar uma série de reações que modifique drasticamente o presente. Até que um acidente misterioso faz com que Travis Ryan (Edward Burns), líder de um grupo, precise retornar ao passado para devolver a ordem das coisas ao seu lugar.

Se a Christina, professora de biologia, não tivesse passado esse filme para a turma no Cineclube da escola, eu nunca teria ouvido falar dele. E talvez nunca tivesse me interessado, porque a primeira coisa que eu pensei ao olhar para esse pôster foi que ele parece ser de um filme de terror. Alguém concorda?

O Som do Trovão foi rodado em 2002 e lançado somente em 2005. No filme, dois executivos milionários querem voltar no tempo para caçar dinossauros. Depois de desembolsar alguns milhões, eles partem para o passado, mas um pequeno defeito nas armas usadas quase põe fim ao sucesso da viagem. Eles conseguem matar o dinossauro e voltar ao presente antes que sejam mortos. Mas algo aconteceu durante a confusão, algo no passado foi mudado, e esse simples acontecimento pode mudar tudo.

Eu me surpreendi de verdade com esse filme. Eu estava morrendo de sono na aula, e quando a professora falou que era dia de filme, eu tive certeza que iria fazer minha mochila de travesseiro e que só acordaria quando tocasse o sinal da próxima aula. O fato é que para o filme ter me despertado do meu sono de 100 anos da Bela Adormecida ele tem que ser bom mesmo.

Eu realmente adorei o filme, mas é a minha opinião, não vou dizer pra vocês que é maravilhoso para não me acusarem de propaganda enganosa. Porque, sinceramente, os efeitos especiais são uma piada. Algumas cenas são bem engraçadas, do tipo que você diz “rá, que ridículo” – quem for assistir ao filme, preste atenção na cena em que a última “onda do tempo” chega, a cena seguinte é hilária.

Uma coisa que eu pensei o filme inteiro é que a Jemina Rooper, atriz que interpreta a mulher do grupo de caça, é simplesmente a cara da Selena Gomez. E agora – procurando o nome dela no Google – vi umas fotos e decidi que ela é uma mistura de Selena com Hayley Williams. Desculpem fãs, mas eu realmente achei muito parecido.

Enfim, o que eu achei interessante no filme é como ele mostra que uma simples coisa aparentemente insignificante pode mudar tudo, e como as alterações naturais são importantes para todos os tipos de vida. Eu recomendo.

Nossa, falei bastante hoje. Eu sou uma pessoa tão adepta dos 140 caracteres que qualquer texto maior do que isso é milagre. O blog vai fazer 1 mês e talvez eu venha com surpresas, aguardem. E façam uma blogueira feliz comentando ok?
desenvolvido por letícia santos © 2010 - 2015 | voltar ao topo